Operações com software tem ICMS afastado pelo TJ/SP.

 

Resultado de imagem para imagem ICMS

O Estado de São Paulo baixou o Decreto nº 63.099/17 determinando que a partir de 1º de abril, o ICMS será exigido sobre as operações com software realizadas por meio de transferência eletrônica de dados, sobre o valor total da operação, incluindo o valor do programa, do suporte informático e quaisquer outros valores cobrados do seu adquirente.

 

Pelo Decreto nº 63.099/17 o imposto deverá ser recolhido no Estado onde estiver domiciliado ou estabelecido o adquirente do software e isentou o ICMS para as operações anteriores à saída destinada ao consumidor final e elevou à condição de estabelecimento autônomo do site ou plataforma que realize as operações com software mediante transferência eletrônica. Além disso, criou a obrigatoriedade de inscrição estadual nos Estados em que as empresas comercializarem o software mediante transferência eletrônica.

 

A discussão jurídica travada nos tribunais é no sentido de que o software adquirido por transferência eletrônica não possui suporte físico, logo, não se trata de mercadoria, uma vez que o programa de computador (softwares) possui natureza jurídica de direito autoral e não caracteriza uma operação de compra e venda ou prestação de serviço, tratando-se de mera licença de uso. Portanto, o software não é mercadoria, já que não é propriedade do adquirente.

 

Portanto, ao exigir o ICMS sobre as operações com software realizadas por meio de transferência eletrônica de dados, o Decreto nº 63.099/17 passou a exigir ICMS sobre operações que não tem qualquer relação com circulação de mercadoria, e por essa razão, não há ocorrência do fato gerador do imposto.

Por outro lado, o Decreto no 63.099/17 do Estado de São Paulo instituiu nova hipótese de incidência do ICMS, em, ofensa ao art. 146IIIa da Constituição Federal. Esse entendimento decorre do fato de que somente a lei complementar pode definir o fato gerador e a base de cálculo e contribuinte.

 

Além disso, o referido decreto violou o princípio da legalidade tributária constante no artigo 150I da Constituição Federal e artigo 97 do Código Tributário Nacional, pois acabou por instituir imposto por intermédio de Decreto.

 

Diante de tais argumentos, o SEPROSP – Sindicato das Empresas de Processamento de Dados e Serviços de Informática do Estado de São Paulo pleiteou em sede de agravo de instrumento (2065250-19.2018.8.26.0000) ao TJSP a suspensão da exigibilidade dos valores relativos ao ICMS incidente sobre as operações com software realizadas por transferência eletrônica de dados, nos termos do Decreto nº 63.099/17 do Estado de São Paulo.

 

O processo foi julgado improcedente em primeira instância, mas a 5ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça, reformou a decisão de primeiro grau e determinou a suspensão da exigibilidade dos valores relativos ao ICMS incidente sobre as operações com software realizadas por transferência eletrônica de dados, com base no Decreto Estadual nº 63.099/17.

Gostou deste artigo?

Share on facebook
Compartilhe no Facebook
Share on twitter
Compartilhe no Twitter
Share on linkedin
Compartilhe no Linkdin
Share on email
Compartilhe no Email

Deixe seu comentário

Pergunte-nos qualquer coisa, a qualquer momento.

Nos envie sua mensagem que vamos responderemos o mais rápido possível.

  • Cajamar: Rua Waldemar Meira, 804 – Portal dos Ipês II
  • lima@limaadvogados.adv.br
  • (11) 4448-5129.
  • 8h às 17h | Segunta a Sexta

Copyright 2020 Copyright © Lima. (Lei 9610 de 19/02/1998)