O cônjuge pode entrar na sociedade empresarial após o divórcio?

Se o sócio constituiu a empresa antes do casamento, em caso de divórcio, não terá que partilhar o patrimônio da empresa com o seu cônjuge ou companheiro, mas se se abertura da empresa for posterior ao casamento ou união estável, o cônjuge ou companheiro não-sócio terá direito a metade do patrimônio adquirido durante o casamento ou união estável.

É importante lembrar que, que neste caso existem bônus e ônus para os cônjuges e companheiros,  ou seja, não só aos créditos, mas também os débitos da empresa entrarão na partilha.

Todavia, é importante saber que se a empresa for uma sociedade de responsabilidade limitada, a famosa “LTDA”, o cônjuge não poderá ser incluído como sócio da empresa ou a pedir a dissolução da sociedade.

Gostou deste artigo?

Share on facebook
Compartilhe no Facebook
Share on twitter
Compartilhe no Twitter
Share on linkedin
Compartilhe no Linkdin
Share on email
Compartilhe no Email

Deixe seu comentário:

Pergunte-nos qualquer coisa e a qualquer momento.

Nos envie sua mensagem que iremos responder o mais rápido possível.

Copyright 2021 Copyright © Lima. (Lei 9610 de 19/02/1998)